FIBRAS DO SANTO COCO!


Toalha de renda em fibra de coco...ECO RETO!!! e Linda...
A fibra de coco, também chamada Coir, provém do coqueiro comum (cocus nucifera). É a única fibra de fruta que é usada em quantidade digna de ser mencionada.

O coqueiro é plantado na Índia desde a antiguidade. Lá ele é chamado de “Árvore do Bem-Estar” ou “Árvore do Céu”. Desde 1840 o plantio é feito em grande escala.

O coco fornece um sem-número de artigos importantes, como o leite de coco, a parte aderente à casca e as fibras. A parte interna, rica em albumina e gordura, é picada e ralada e depois vendida sob o nome de copra. Da copra retiram-se o óleo, a gordura de coco e o óleo de copra ou copraol. Do mesocarpo obtém-se a fibra. A casca é utilizada em objetos decorativos. Na culinária emprega-se a gordura vegetal de coco, coco ralado e leite de coco.

O coqueiro existe em todos os países tropicais, em inúmeras variedades. Na Índia, Indonésia e Ceilão (Sri Lanka) cuida-se mais da extração das fibras, enquanto que em outros países de cultura, como Porto Rico, Marrocos, China e Filipinas, procura-se mais a obtenção da parte comestível do coco.

Os maiores produtores mundiais de coco são as Filipinas, Indonésia, Índia, Sri Lanka, e Tailândia. Na América latina o México, o Brasil e a Venezuela lideram a produção.

Atualmente, a Índia é líder mundial na comercialização desse produto, com 1,02 bilhão de toneladas de fibra produzidas por ano. O país fatura US$ 70 milhões com exportação. No Brasil, a produção é ainda incipiente, com cerca de 40 milhões de toneladas de fibra produzidas anualmente.

Os coqueiros vêm crescendo no estado de São Paulo, tomando espaço da laranja e do café nas regiões de São José do Rio Preto, Marília e Garça.

Extração do fio
Uma meada de fio de coco contém de 50 a 100 m de fio. Um fardo de fio de coco pesa aproximadamente 150 quilos.

Plantio
O tronco atinge um diâmetro de 30 a 70 cm e uma altura de até 30 metros. O coqueiro cresce relativamente depressa e atinge uma idade de quase cem anos. A típica coroa da folha suporta de 10 a 12 folhas emplumadas, tendo cada uma o comprimento aproximado de 4 a 6 metros que se estendem para todos os lados.

Estrutura das fibras
As espigas das flores dos cachos encontram-se nas entradas das folhas mais baixas. É notável o fato de que no coqueiro há flores e frutos ao mesmo tempo, e a colheita faz-se durante todo o ano. Em cada cacho crescem 15 a 20 nozes.

Colheita e obtenção das fibras
O coco leva sete meses para amadurecer. A colheita é feita quatro ou cinco vezes ao ano. Para realizar a colheita do coco em coqueiros gigantes, o colhedor ou “tirador” deve utilizar “peias” de couro ou nylon para subir nas plantas. O uso de esporas deve ser evitado visto que estas causam ferimentos no tronco do coqueiros, o que pode transmitir doenças letais às plantas. Chegando ao topo da árvore, o tirador amarra uma corda no pedúnculo do cacho e o secciona com um facão. Com isso, a queda do cacho é evitada já que a corda o está segurando. Aproveita-se este momento para realizar a limpeza das copas, desbastando as folhas velhas, que são cortadas também com o facão. Não é recomendado cortar folhas ainda verdes, pois pode ocorrer a atração de insetos causadores de doenças. O fruto inteiro está envolto numa casca externa que no começo é amarela e depois fica marrom. Sob a casca encontra-se a camada de fibras com 3 a 5 cm de espessura. Esta casca é desmanchada em vários pedaços com uma faca de bater. Os pedaços ficam várias semanas em água salobra, onde são macerados. Água salobra é uma mistura de água doce com água do mar. É a água das embocaduras dos rios. As fibras são depois batidas e trituradas para poderem ser separadas. Segue-se a lavagem e secagem. Treze a quinze cocos fornecem mais ou menos um quilo de fibras.

Quando as fibras são submetidas a um processamento semelhante à espadelagem do linho, obtêm-se os seguintes grupos de fibras: fibras longas para a indústria de escovas, chamada “bristles”, e fibras curtas usada como material de enchimento e para almofadas, cujo nome é “matress”. As fibras curtas que são eliminadas durante este processamento têm o nome de “combings”.

Propriedades especiais: a elasticidade é muito grande, maior que nas outras fibras vegetais. A capacidade de resistir à umidade e às condições climáticas é igualmente muito grande, podendo-se dizer o mesmo em relação à água do mar. A resistência ao desgaste é enorme.
Lembrando que a casca de coco é uma matéria de difícil decomposição levando mais de oito anos para se reintegrar ao solo.

Portanto, a valorização do resíduo sólido, com a utilização da casca do coco verde processada, além da importância econômica e social, é extremamente importante do ponto de vista ambiental.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sabe o que é SAPUCAIA?

RAMI