O MERGULHO!


Incursão na Consciência
Divaldo Franco / Joana de Ângelis
Remontando-se à origem da vida nos mais
remotos passos, encontra-se a presença do
psiquismo originado em Deus, aglutinando
moléculas e estabelecendo a ordem que se
consubstanciou na realidade do ser pensante.
Etapa a etapa, através dos vários reinos,
essa consciência embrionária desdobrou os
germes da lucidez latente até ganhar o
discernimento vasto, plenificador.

À medida que a complexidade de valores se
torna unificada, por atavismo das experiências
anteriores, os conflitos e os distúrbios que
respondem na área psicológica pelos muitos
problemas que o afligem.

Faz-se então indispensável, ao adquirir-se o
conhecimento de Si, o aprofundamento da busca
da sua realidade, deslindando os complicados
mecanismos viciosos que impedem a marcha
ascensional e não o levam à realização total.

Os impulsos orgânicos propelem sempre para a
comodidade, a satisfação dos instintos, o
imediatismo do prazer, a prejuízo da meta
essencial: a libertação dos processos
determinantes dos renascimentos carnais, que
são as paixões primitivas.

A atração pelo mundo exterior conduz, por sua
vez, a inumeráveis distonias emocionais, que
atormentam e desvairam o indivíduo, afugentando-
o de si mesmo num rumo difícil de ser mantido.

Somente através de um grande empenho da vontade
é possível olhar para dentro e pesquisar as
possibilidades disponíveis para melhor
identificar o que fazer, quando e como realizá-
lo.

Trata-se, essa tarefa, de um desafio que exige
intenção lúcida até criar o hábito da
interiorização, partindo da reflexão para o
mergulho no oceano do Si, daí retirando as
pérolas preciosas da harmonia e da plenitude,
indispensáveis à vivência real de ser pensante.
A mente não adestrada nessa busca hesita e
retrai-se, impedindo-se o descobrimento dos
recursos inimagináveis, que esperam para ser
desvelados.

As tendências ao relaxamento e ao menor esforço,
inerentes ao processo da evolução pelo trânsito
nas fases anteriores, dificultam os
procedimentos iluminativos imprescindíveis.

Na excursão ao mundo objetivo o ser adquire
conhecimentos intelectuais e experiências vivas
das realizações humanas; no entanto, apenas no
esforço de interiorização conseguirá
identificar- se com os objetivos essenciais da
sua realidade, harmonizando- se.

Adquirir a consciência plena da finalidade da
existência na Terra constitui a meta máxima
da luta inteligente do ser.

O Evangelho refere que Jesus asseverou,
conforme as anotações de Mateus, no capítulo
seis, versículos vinte e dois e vinte e três:
a candeia do corpo são os olhos.

Se estes, pois, forem simples, todo o teu
corpo fiará luminoso; mas se forem maus, todo
o teu corpo ficará às escuras. Se, portanto,
a luz que há em ti são trevas, quão densas são
as trevas!

Nessa figura admirável, o Psicoterapeuta por
excelência estabeleceu a essencialidade da
vida nos olhos, encarregados da visão, a fim
de que, despretensiosos dos aparatos
transitórios do mundo, mergulhem na luz
interior, de modo que tudo se faça claridade.

O reino da luz é interno, sendo imperioso
penetrá-lo, para que as trevas da ignorância
não predominem, densas e perturbadoras.

Os olhos espirituais - a mente lúcida - são
a chama que desce ao abismo da individualidade
para iluminar os meandros sombrios das
experiências passadas, que deixaram marcas
psicológicas profundas, ora ressumando de
forma negativa no comportamento do ser.

Insatisfação, angústia, fixações perturbadoras
são o saldo das vivências perniciosas, cujas
ações deletérias não foram digeridas pela
consciência e permanecem pesando-lhe na
economia emocional.

Manifestam-se como irritabilidade, mal-estar
para consigo mesmo, desinteresse pela vida,
idéias autodestrutivas, em mecanismos de
doentia expressão, formando quadros
psicossomatológicos degenerativos.

Quaisquer terapias, para fazê-los cessar,
terão que alcançar-lhes as raízes, a fim de
extirpá-las, liberando os núcleos lesados do
psiquismo e restaurando- lhes a harmonia
vibratória ora afetada.

Trata-se de uma experiência urgente quão
desagradável nas primeiras etapas, porquanto,
a exemplo de outros exercícios físicos,
causam cansaço e desânimo, resultantes da
falta desse hábito salutar, até que, vencida
essa primeira fase, comecem a produzir leveza
e rapidez de raciocínio, lucidez espiritual
e inefável bem-estar.

Cada vez que é vencido um patamar e superados
os impedimentos castradores e de culpa,
mais amplas possibilidades se apresentam,
liberando o indivíduo dos conflitos habituais
e equipando-o de legítimas alegrias.

A vida se lhe torna ideal, e a morte não se
afigura desagradável, por vivenciá-la nos
estados de meditação, sentindo-se o mesmo no
corpo ou fora dele.

Interiorizar- se cada vez mais, sem perder o
contato com o mundo físico e social, deve ser
a proposta equilibrada de quem deseja realizar-
se no encontro com os valores legítimos da
existência.

Podemos considerar que esse tentame leva o
experimentador do mundo irreal - o físico -
para o real - o transpessoal - gerador e
causal de todas as coisas.

Comentários

  1. Amei suas matérias muito lindas, eu quero te seguir, mais como faço sai só o meu usuario e ñ o nome do meu blog,kkkkkk bjos do coraçäo bom dia.
    Pequenas palavras

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Sabe o que é SAPUCAIA?

BENZOPHENONE-3 TÔ FORA!!!

CONSTRUÇÕES ALTERNATIVAS